fbpx
Imprimir esta página
Segunda, 29 Junho 2020 21:25

Em três fases, Sony Music e Phonomotor lançam 'Cinephonia' de Marisa Monte Destaque

Escrito por Redação Mundo da Música
Avalie este item
(0 votos)
O lançamento do catálogo "Cinephonia" foi feito em três fases (11/06, 19/06 e 26/06) com “Memórias (2001) – Ao Vivo”, “Hotel Tapes (1996) – Ao Vivo” e encerrou na última sexta-feira (26) com “Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo”. O lançamento do catálogo "Cinephonia" foi feito em três fases (11/06, 19/06 e 26/06) com “Memórias (2001) – Ao Vivo”, “Hotel Tapes (1996) – Ao Vivo” e encerrou na última sexta-feira (26) com “Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo”. Divulgação/Sony Music

A Sony Music e a Phonomotor lançam nas plataformas, pela primeira vez em áudio streaming, 30 canções gravadas por Marisa Monte em vídeos VHS e DVD, além de uma música inédita, “Acontecimento” (Hyldon), nunca lançada pela artista em um projeto chamado "Cinephonia".

O lançamento do catálogo foi feito em três fases (11/06, 19/06 e 26/06) com “Memórias (2001) – Ao Vivo”, “Hotel Tapes (1996) – Ao Vivo” e encerrou na última sexta-feira (26) com “Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo”.

“Durante mais de 30 anos de atividade produzi e acumulei uma quantidade colossal de arquivos e informações nos diversos tipos de formatos e suportes existentes. Arquivos de áudio (de K7 a 2 polegadas), de audiovisual (de VHS a película), fotografias (papel, contatos e slides), partituras, clipping de imprensa, documentos, projetos gráficos, registros de ensaios, áudios de canções sendo compostas, manuscritos etc.

Nestes últimos quatro anos passei horas envolvida em um tipo de trabalho que é completamente invisível aos olhos do público, mas que foi fundamental para que eu tivesse acesso em um só lugar a todos os dados produzidos durante minha trajetória. Para isso fui em busca de um novo tipo de parceria, desta vez com arquivistas, biblioteconomistas, pesquisadores, restauradores de áudio e vídeo, técnicos em informática. Uma quantidade enorme de informação a ser organizada num trabalho gigantesco, contínuo e infinito que hoje faz parte de um arquivo virtual que mora nas nuvens, onde está toda minha obra digitalizada, catalogada, restaurada e organizada

Assistir, escutar, ter tudo isso acessível foi fundamental para que hoje eu possa colocar ao alcance do público esse material que chamei de Cinephonia. Cine (movimento/imagem) e Phonia (som). Os sons das imagens.

Todas estas canções têm em comum o fato de serem parte de trilhas sonoras dos meus registros audiovisuais, mas que não estavam disponíveis em áudio streaming. Escutar sem assistir transforma a relação entre o público e a música, propõe a liberdade para cada um criar suas próprias imagens”, conta Marisa Monte.

 

 
 

Memórias 2001 – Ao Vivo

“Depois de passar um ano e meio na estrada com a tour do disco Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, desembarcamos no Rio de Janeiro para as filmagens do DVD, em junho de 2001. O show era visualmente lindo, tinha como cenário uma escultura do Ernesto Neto e projeções que criavam um efeito psicodélico nas multicamadas de tecido branco.

A banda era poderosíssima, mas o registro completo ficou restrito ao DVD. Na época foram lançadas em áudio apenas duas gravações inéditas: A Sua (minha autoria) e Ontem ao Luar, clássico brasileiro de Catulo da Paixão Cearense e Pedro Alcântara.

Vasculhando os tapes originais encontramos Acontecimento do Hyldon de 1973, que eu havia conhecido nas trilhas sonoras das novelas da minha infância e que eu cantava no show, mas que acabou ficando de fora do DVD e que se encontra agora com todas as outras canções finalmente juntas”, diz Marisa.

 

 
 
 

Hotel Tapes (1996) – Ao Vivo

 
“O ano era 1996. A ideia era promover encontros musicais com parceiros e amigos sem ensaio e com total liberdade para serem filmados para o DVD de Barulhinho Bom. Meus convidados: Novos Baianos, Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Davi Moraes e as pastoras da Velha Guarda da Portela. O cenário escolhido foi a ruína do hotel das Paineiras, na Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro, aos pés do Cristo Redentor.
 
Tocamos e cantamos as músicas que amávamos, nosso repertório afetivo comum, entre gargalhadas e olhares cúmplices. Ouvir esses registros me faz sorrir ao lembrar de dias luminosos, no meio da natureza, com a cidade aos nossos pés, pertinho do céu, vivendo um sonho encantado daquele momento musical coletivo. Uma viagem musical”, lembra Marisa.
 
 
 
 

Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo

 

“Conheci o Ed Motta, em 1987, quando ele tinha 16 anos e eu 19. Éramos ambos do Rio, fazíamos nossas primeiras apresentações por aí, tínhamos alguns amigos músicos em comum e logo nos aproximamos. Antes mesmo do nosso primeiro disco, fomos convidados para fazer um show com a sua banda, Conexão Japeri, no Clube Aeroanta em São Paulo.

Daquela temporada, entre mil firulas vocais, me lembro do hotel na Avenida Ipiranga, no centro de Sampa, dos jantares depois do show sempre mesas grandes com a banda toda e do repertório repleto de sucessos nacionais e internacionais da black music que já era nossa paixão em comum. Quando fui convidada gravar meu primeiro registro audiovisual, um especial para a TV Manchete filmado em película e dirigido pelo Nelson Motta e pelo Walter Salles, em outubro de 1988, ele naturalmente estava entre meus convidados.

E para aquela gravação nós escolhemos ´These are The Songs´, uma canção do Tim Maia, que havia sido gravada no terceiro álbum do mestre da soul music brasileira, “Tim Maia” de 1972, em dueto com a Elis Regina. Por algum motivo essa canção ficou fora do meu primeiro álbum, mas faz parte do registro audiovisual em home video e agora, 32 anos depois, finalmente está disponível em áudio.

O DVD Mais é o registro da minha segunda tour, consequência do meu segundo álbum, lançado em 1991. Viajamos pelo Brasil inteiro e atracamos no Rio de Janeiro para gravar no Imperator, em 92. A filmagem foi dirigida por Arthur Fontes e Lula Buarque, que vinham acompanhando meus passos e registrando tudo em película desde o ano anterior.

O show ao vivo tinha uma banda poderosa com destaque para o Gigante Brasil na bateria e os incríveis Tche e Bukassa nos backing vocais e nas coreografias, que animavam a plateia levando o público ao delírio. Algumas músicas do repertório desse show foram fundamentais na minha trajetória mesmo sem terem sido lançadas em disco e estavam presentes somente no home video, como ´Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar)´ do Tim e ´Você Não Serve Pra Mim´ do Renato Barros.

Para completar esse pacote ´De Noite Na Cama´ do Caetano, ´Eu Não Sou da Sua Rua´ do Branco Mello e do Arnaldo e ´Volte Para o Seu Lar´ do Arnaldo, três versões ao vivo de sucessos do disco de estúdio”, diz Marisa.

 

 
 

Cinephonia

 

O CINEPHONIA convida através de uma página interativa para o estúdio virtual de Marisa Monte onde estão instrumentos, trechos de sua discografia completa e curiosidades. Ao clicar, um pop-up se abre com mais detalhes.

A página traz um segundo ambiente: a Sala Técnica com HDs contendo as músicas inéditas no formato áudio streaming, que foram lançadas durante 3 semanas sequenciais.

 

Ficha Técnica CINEPHONIA

Arquivo de Áudio
Engenharia de áudio e Coordenação de T.I.: Daniel Carvalho
Organização do acervo digital de áudio: Carol Monte
Digitalização das fitas analógicas: Sidney Costa – Doctor Labs
Arquivo Digital – Vento Estúdio
Coordenação: Fernanda Kassar e Priscila Lopes
Biblioteconomistas: Cristiana Siqueira e Daniel Strauch
Direção de produção: Simon Fuller
Produção executiva: Maria Fortes
Coordenação de A.R.: Fabio Silveira
Edição de imagem: Victoria Oliveira
Lançamento: Phonomotor e Sony Music

 

1 Comentário