fbpx
Imprimir esta página
Quinta, 23 Julho 2020 14:20

Ecad registra crescimento de novas obras musicais e audiovisuais no 1º semestre de 2020 Destaque

Escrito por Redação Mundo da Música
Avalie este item
(0 votos)
Ecad registra crescimento de novas obras musicais e audiovisuais no 1º semestre de 2020 Divulgação/Ecad logo

O Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), dono de um dos maiores bancos de dados da América Latina no segmento musical, constatou o aumento no número de seus arquivos musicais neste primeiro semestre de 2020. As obras musicais cadastradas passaram de 12,5 milhões para mais de 13,7 milhões.

A pandemia do coronavírus parou a indústria musical, com cancelamentos de shows e eventos, mas não parou a inspiração de quem mantém a música brasileira viva nas canções e nas obras audiovisuais. 

Só nos seis primeiros meses deste ano foram mais de 1,2 milhão de novas músicas no cadastro. Em 2019, no primeiro semestre, foram cadastradas um pouco mais de 965 mil novas canções.

Outro segmento que também apresentou um crescimento este ano foi o de obras audiovisuais. O  constatou que o número passou de 178 mil para 189 mil, com 11 mil novas obras cadastradas nestes seis primeiros meses.

A produção musical no Brasil vem apresentando um crescimento continuado, nos últimos anos. No ano passado, as obras musicais cadastradas no banco de dados do Ecad saltaram de 10 milhões para 12,5 milhões em comparação ao ano de 2018.  Em relação às obras audiovisuais, o número de 2019 cresceu de 161 mil para 178 mil, assim como os fonogramas (gravações) que eram 8 milhões em 2018 passaram a ser 9 milhões no ano passado.

Veja noss gráficos abaixo:

Foto: Dados Ecad sobre obras musicais e audiovisuais. | Créditos: Divulgação/Ecad

 

Em tempo, o Ecad também divulgou neste mês a distribuição em direitos autorais realizada no primeiro semestre de 2020. Foram contemplados 218 mil compositores, artistas, músicos, produtores fonográficos, editores e associações de músicas.

Nos seis primeiros meses do ano, o Ecad arrecadou R$ 436 milhões e distribuiu R$ 497 milhões em direitos autorais de execução pública de música, os valores ainda não refletem o impacto da pandemia.

Confira mais detalhes acessando aqui.