Quinta, 31 Outubro 2019 12:13

Dívida de Rádios inadimplentes com Ecad é de R$ 7,309 milhões; saiba mais Destaque

Escrito por Redação MM
Avalie este item
(0 votos)
Levantamento do Ecad a pedido da UBC apontam crescimento na dívida das rádios que não pagam direitos autorais Levantamento do Ecad a pedido da UBC apontam crescimento na dívida das rádios que não pagam direitos autorais Unsplash

Levantamento feito pelo Ecad a pedido da UBC aponta que a dívida de rádios inadimplentes chegou a R$ 7.309.656 de janeiro a outubro deste ano, 7,85% a mais que no mesmo período de 2018, quando o montante era de R$ 6.777.160.

Previsto legalmente, o pagamento pela execução pública de canções nas emissoras é desrespeitado por nada menos que 60% delas — somadas comerciais e comunitárias. 

Se avaliadas unicamente as rádios comerciais, a dívida R$ 6.463.132, e o percentual de inadimplência, 42%. Historicamente, as rádios comunitárias costumam ser as mais inadimplentes, devido à própria natureza, muitas vezes informal, da sua operação, de acordo com a UBC.

Desde 2016, tramita no Senado um projeto de lei, o PLS 55/2016, que permite às rádios comunitárias passar a veicular anúncios publicitários, o que atualmente é vedado.

De acordo com seus representantes, obter uma renda fixa com propaganda poderia contribuir para diminuir a inadimplência. O projeto se encontra desde maio aguardando inclusão na ordem do dia para votação no plenário da casa. Caso seja aprovado, ainda deve seguir para a Câmara dos Deputados.

Para que você possa conferir se as rádios da sua cidade e do seu estado estão em dia com os pagamentos de direitos de execução pública, a UBC divulgou duas listas: a das emissoras adimplentes e a das inadimplentes.

Clique abaixo e confira.

a) Lista de emissoras adimplentes (que pagam o Ecad);

b) Lista de emissoras inadimplentes (não pagam o Ecad).

Em tempo, divulgamos aqui no MM recentemente sobre o levantamento do Kantar IBOPE Media sobre a popularidade do Rádio no Brasil que segue alta, principalmente entre os jovens. Clique aqui e saiba mais.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.