Quinta, 08 Agosto 2019 22:30

Estudo aponta que jovens passarão mais tempo ouvindo Rádio do que assistindo TV tradicional até 2025; veja mais Destaque

Escrito por Redação MM
Avalie este item
(0 votos)
Estudo sobre a popularidade do Rádio pela consultoria Deloitte Global Estudo sobre a popularidade do Rádio pela consultoria Deloitte Global Pixabay

Estudo da Delloite Global aponta que os jovens americanos de 18 a 34 anos provavelmente passarão mais tempo ouvindo Rádio do que assistindo TV tradicional até 2025. A audiência de TV entre os jovens nos Estados Unidos está caindo três vezes a mais do que a taxa de audição de rádio

A análise revela aspectos importantes sobre o consumo de Rádio que segundo o estudo, está mais presente no nosso dia a dia do que imaginamos.

A Delloite Global ainda prevê que a receita global de rádio chegará a US$ 40 bilhões em 2019, um aumento de 1% sobre 2018. Aponta também que o alcance semanal da rádio permanecerá quase onipresente, com mais de 85% da população adulta ouvindo rádio pelo menos semanalmente no mundo desenvolvido (a mesma proporção que em 2018), e alcance variará no mundo em desenvolvimento.

Combinadas, quase 3 bilhões de pessoas no mundo todo ouvirão rádio semanalmente. Segundo a análise, os adultos em todo o mundo ouvirão uma média de 90 minutos de rádio por dia, aproximadamente a mesma quantia do ano anterior.

Ao contrário de outras formas de mídia tradicional, a rádio continuará a apresentar um desempenho relativamente bom com a demografia mais jovem. Nos Estados Unidos, por exemplo, esperamos que mais de 90% dos jovens de 18 a 34 anos ouçam rádio pelo menos uma vez por semana em 2019, e eles ouvirão o rádio por uma média de mais de 80 minutos por dia.

TV watching among young Americans is declining three times faster than radio listening

 

'Rádio é a voz sussurrando em nossos ouvidos'

 

A análise da consultoria antecipa: "Muitos leitores podem zombar dessas previsões robustas de rádio. 'Isso não pode estar certo ... ninguém escuta mais o rádio'. Mas o rádio tem sido comumente subestimado.

Rádio é a voz sussurrando em nossos ouvidos, no fundo do jantar, no escritório ou dirigindo o carro. Não é insistente ou proeminente... mas está lá", diz a Deloitte Global.

A tecnologia de medição de escuta de rádio varia de país para país, mas em muitos mercados, os dados são coletados usando dispositivos de tecnologia passivos usados ​​por consumidores que captam programas de rádio por meio de um sinal de áudio embutido indetectável (para seres humanos).

Quando solicitados a auto-relatar seus hábitos de ouvir rádio, os seres humanos tendem a subestimá-lo, acreditando que ouvimos menos do que realmente fazemos.

Nos Estados Unidos, a atividade de audição de rádio AM / FM é medida pela Nielsen. Em 48 mercados principais, a medição é feita passivamente através de um dispositivo wearable chamado Personal People Meter (PPM).

Em mercados menores, um sistema diário é usado. A cada ano, cerca de 400.000 americanos participam do programa de medição.

O dispositivo PPM capta um sinal de áudio inaudível incorporado em programas de rádio AM / FM. Essa forma de medição é o padrão-ouro e é usada como moeda para anúncios e classificações de rádio. Embora não seja perfeito, é considerado altamente preciso.

De acordo com dados da Nielsen, mais de 95% dos americanos adultos ouviram um programa de rádio AM / FM pelo menos uma vez em junho de 2017.

No entanto, os seres humanos são menos precisos em medir e relembrar seus hábitos de rádio. No banco de trás de um carro, em um restaurante, ou mesmo em nossas próprias casas, o rádio é discreto, mas frequentemente presente, e nós constantemente relatamos ouvir rádio menos - muito menos - do que os sistemas passivos de medição tecnológica dizem que fazemos.

Veja os variados tipos de uso abaixo: carro, em casa e no trabalho para diferentes idades.

 

US and Canadian radio listeners use radio most while driving

Existem várias razões pelas quais a audição de rádio é tão subnotificada nas pesquisas.

De acordo com a Deloitte, a Rádio é menos intrusiva que a TV e menos inovadora do que assistir a um vídeo em um smartphone. Muitas vezes é percebido como "meramente" plano de fundo para um almoço ou uma viagem de trem/metrô.

Mas o rádio está ligado, o som está saindo dos alto-falantes e nossos ouvidos estão ouvindo o rádio (e os comerciais), mesmo que não nos lembremos conscientemente: "Ei, estamos ouvindo o rádio".

O alcance semanal do rádio - a porcentagem de pessoas que ouvem rádio pelo menos uma vez - tem sido notavelmente estável nos Estados Unidos. Não só alcançou cerca de 94% nos últimos anos, mas esse número está essencialmente inalterado em relação aos 94,9% da primavera de 2001 (quando a Apple lançou o iPod).

O alcance de rádio canadense é apenas um pouco menor, de 86%. Além disso, em agosto de 2018, a pesquisa da Deloitte Global descobriu que, daqueles que relatam ouvir rádio ao vivo, mais de 70% disseram que ouve todos os dias ou na maioria dos dias.

Essa descoberta foi consistente tanto para os Estados Unidos quanto para o Canadá, e em todas as faixas etárias: a maioria dos ouvintes de rádio está sintonizando como parte de suas vidas diárias.

A receita de rádio canadense (entre emissoras privadas e públicas, incluindo rádio via satélite) vem declinando, mas apenas muito gradualmente. De 2012 a 2016, a receita total de rádio canadense caiu 1%, para 2,2 bilhões de dólares americanos (1,1 bilhão de dólares).

No entanto, se excluímos a rádio do setor público (cuja receita foi reduzida), a queda na receita de rádio privada foi de apenas 1,1%. por ano, 7 enquanto o rádio via satélite vem crescendo cerca de 6% ao ano.

 

Análise Deloitte 


A implicação óbvia de todos os aspectos mencionados acima é que o rádio não está desaparecendo, e deve ser uma grande parte do mix de anúncios para quem compra publicidade.

No entanto, a importância do rádio na publicidade pode não ser bem conhecida: um estudo de 2018 no Reino Unido descobriu que, embora o rádio tivesse o segundo melhor ROI para a construção da marca, anunciantes e agências o classificaram em sexto lugar em sete.

O rádio parece ser o meio de publicidade mais desvalorizado para a construção da marca. Mas, se os anunciantes perceberem o valor do rádio, a parcela de dólares que o rádio recebe provavelmente ficará estável na pior das hipóteses e poderá até aumentar, como aconteceu no Reino Unido no primeiro trimestre de 2018, de acordo com a Deloitte.

Pelo menos parte do que será necessário para ajudar o rádio a atrair mais receita de publicidade é uma melhor disseminação da realidade por trás da resiliência do rádio.

A análise do estudo critica: "a maioria das pessoas na indústria da mídia tem pressuposições negativas sobre a eficácia do rádio, em grande parte devido a mitos entrincheirados que anulam o alcance da rádio e aos minutos diários de escuta, sua popularidade com o público jovem e sua demografia em relação à renda e à educação.

A indústria em si é parcialmente responsável por esses mal-entendidos, e uma campanha agressiva de marketing - sempre apoiada por evidências concretas - provavelmente precisará ser uma estratégia fundamental para as emissoras e suas associações industriais em todo o mundo", diz.

O rádio não está em crise existencial ou um precipício demográfico iminente. Em 2017, o rádio atraiu cerca de 6% dos gastos com publicidade global (cerca de 9% na América do Norte) e, em 2019, provavelmente será de cerca de 6% novamente.

Esses anunciantes sabem que a publicidade nas obras de rádio precisa fazer parte de qualquer campanha publicitária.

Em um mundo onde o digital muda tudo, o rádio pode ser a exceção.

Para ver o estudo completo, acesse aqui. 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.